Prefeitura Municipal de Aracaju/SE

Técnicos e secretários de Saúde da Regional de Aracaju discutem pactuações

Os técnicos da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) participaram da 3ª Reunião Ordinária do Colegiado Interfederativo Regional (CIR) Aracaju, que é composto por oito municípios, inclusive a capital. O encontro aconteceu na manhã desta quinta-feira, 20, no auditório da Diretoria de Vigilância Sanitária Estadual (Divisa). Eles discutiram temas pertinentes à saúde da Região como a solicitação dos recursos retroativos de equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf) da SMS de Aracaju, bem como as metas dos indicadores do Sispacto 2017, entre outras pautas.

De acordo com Sayonara Carvalho, técnica da Assessoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional (Asplandi) da SMS, uma das principais metas da atual gestão é fortalecer as pautas de pactuação das ações de saúde no âmbito municipal e regional através do CIR. “O CIR é um espaço para discussão, pactuação e alinhamento de metas das Secretarias de Saúde da Regional, porque cada vez mais temos necessidade de discutir a saúde por região, para que haja integração da rede. Isso significa melhorar o tempo resposta para os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS)”, informou a assessora técnica da Asplandi.

A coordenadora do Nasf, Clesy Martins, explicou que houve um problema na alimentação de um sistema do Ministério da Saúde na antiga gestão e isso ocasionou o corte do recurso destinado a seis equipes do Nasf. “A atual gestão vem arrumando a casa e nós detectamos o problema e já solucionamos, agora estamos solicitando os recursos retroativos porque o Ministério nos deu seis meses para correção, mas já fizemos isso. Está tudo normalizado”, disse a coordenadora. Ela confirmou a existência de nove equipes de Nasf na capital, que apoiam 23 unidades de saúde da família (USF’s), ou seja, mais de 50% das USF’s.

A técnica da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Josieme Moura, fez uma explanação das metas dos indicadores da Região no Sispacto 2017, que é um sistema de pactuação de metas e indicadores do Ministério da Saúde que todos os municípios e estados devem cumprir, sob pena de perderem recursos. Exemplo disso são: cobertura vacinal desejada, redução de mortalidade infantil e dos casos de dengue, aumento de consultas de pré-natal, todo município deve ter Conselho Municipal de Saúde, percentual de cura de casos novos de hanseníase e tuberculose, entre outros indicadores. Sayonara Carvalho, assessora da Asplandi, disse que processo e resultado dos indicadores ajudam na construção de políticas públicas para o Plano Municipal de Saúde que será confeccionado ainda este ano para o quadriênio 2018 a 2021.

A reunião do CIR serviu ainda para informar sobre a distribuição dos repelentes às gestantes do município de Aracaju iniciada na semana passada. Além disso, foi explanada como a gestão vem trabalhando para buscar mais recursos para a saúde através das emendas parlamentares 2017, como está o andamento dos projetos de cirurgias eletivas que visam melhorar as filas de espera, entre outros temas regionais e estaduais.

Participação

Estiveram presentes à reunião Ana Débora Santana, consultora para Assuntos Governamentais da SMS; Guadalupe Ferreira, diretora de Atenção à Saúde da SMS; Ana Márcia Menezes, coordenadora municipal da Rede Especializada; Kátia Cristina de Oliveira, secretária executiva do CIR/Aracaju; Raulina Gomes, técnica da Diretoria de Vigilância em Saúde da SMS; Marina Manzano, técnica do Núcleo de Controle de Avaliação, Auditoria e Regulação (Nucaar); Helissandra Alves, técnica do Programa Municipal de Saúde da Mulher; João Lima Júnior, diretor de Atenção Integral à Saúde da SES; Magareth Hora, assessora do Colegiado Interfederativo Estadual (CIE), secretários e representantes dos demais municípios da Regional de Saúde: Barra dos Coqueiros, Divina Pastora, Itaporanga D´Ajuda, Laranjeiras, Riachuelo, Santa Rosa de Lima e São Cristóvão.