Prefeitura Municipal de Aracaju/SE

Centro Histórico


O Centro Histórico de Aracaju é um espetacular passeio formado por antigos casarões, praças, museus, palácios, forte comércio e mercados; um inigualável patrimônio revelador do jeito de ser do aracajuano e da grandeza de Aracaju

Riqueza arquitetônica, histórica e gastronômica; de comercio pujante, de cultura popular e de costumes. Equipamentos públicos eternizando nomes
como Zé Peixe, Antônio Franco e Thales Ferraz. Prédios restaurados e ressignificados como o Centro Cultural de Aracaju, antigo prédio da Receita Federal, a Alfândega; o Museu da Gente Sergipana, antigo Colégio Atheneu Pedro II, o Arheneuzinho; e o Palácio Museu Olímpio Campos, antiga sede do governo estadual.

O Centro de Histórico de Aracaju é passagem obrigatória para quem quer conhecer a história da cidade.

CENTRO CULTURAL DE ARACAJU
 
Localizado na praça General Valadão, o Centro Cultural de Aracaju possui obras que contam a história da capital e funciona no antigo prédio da Receita Federal, o prédio da Alfândega. O espaço oferece atividades culturais, artísticas, cursos e conta com a Biblioteca da Cultura Sergipana Escritor Mário Cabral, tele centro, sala da Cultura Popular, museu, revistaria, Núcleo de Produção Digital Orlando Vieira, além de salas de oficinas, exposições, teatro e sala de cinema. Diversidade cultural e beleza arquitetônica garantidas.

ESPAÇO ZÉ PEIXE
 
Zé Peixe foi um prático da Capitania dos Portos de Sergipe, guiando embarcações em alto mar e no leito do Rio Sergipe através de braçadas sem
uso de qualquer equipamento náutico, o que lhe rendeu fama nacional e internacional. Homem de hábitos simples e muito querido pelo aracajuano, morreu em 26 de abril de 2012, aos 85 anos

No Espaço Zé Peixe tem seu busto e restaurante com terraço panorâmico oferecendo saboroso cardápio de peixes e carnes e a inspiradora vista do estuário do Rio Sergipe.


MERCADOS MUNICIPAIS
 
Aracaju possui três mercados municipais, com diferentes funcionalidades: o Antônio Franco, com seu emblemático relógio no centro, foi construído em 1926 e serve como centro comercial de artesanato, mas também com bons restaurantes populares e música ao vivo; o Thales Ferraz, construído em 1948 com a tarefa de ser auxiliar ao Antônio Franco, serve como centro das especiarias gastronômicas dentre elas a tapioca, o beiju, o saroio, o pé-de-moleque, o mel, queijos, biscoitos, doces caseiros e castanhas; enquanto o Albano Franco, edificado em 2000, comercializa carnes, peixes, catados de caranguejo, siri, aratu, temperos e hortifrutigranjeiros, confecções, calçados e eletroeletrônicos.

Além dessas especificidades que marcam cada um deles, quem passa pelas áreas dos mercados centrais também pode apreciar literatura de cordel, roda de capoeira, música popular, forró pé-de- serra, ervas medicinais, também usadas em rituais do candomblé, e diversas manifestações da cultura popular.

Os mercados são referenciais na formação da identidade do aracajuano.