Prefeitura Municipal de Aracaju/SE

Catadores trabalham uniformizados no Projeto Verão

Em cada festa comemorativa, organizada em caráter público ou particular, eles estão presentes trabalhando a noite inteira. Os catadores de materiais recicláveis, muitas vezes invisíveis aos olhos dos espectadores, ajudam a minimizar o montante de lixo no ambiente e ainda podem lucrar uma renda extra com o trabalho.

Com o objetivo de organizar e identificar os catadores em atuação no Projeto Verão, a Prefeitura de Aracaju realizou a distribuição de kits de trabalho, contendo uma camisa, par de luvas, duas sacolas plásticas de 100 litros e uma ráfia com capacidade para 60 quilos. A entrega de kits de trabalho e a distribuição de camisas padronizadas, iniciativa realizada desde o Pré-Caju 2012, recebeu aprovação dos catadores, que acreditam na padronização uma oportunidade de reconhecimento do seu trabalho pelo público.

Essa é a opinião da senhora Maria de Lourdes Alves, que há dois anos realiza a função de catar materiais recicláveis nas ruas. Segundo ela, o uniforme confere um significado de valorização ao trabalho desempenhado pelos catadores, que muitas vezes eram desprezados e incompreendidos pelo público.

"A gente passava e o pessoal nos empurrava e nem nos olhava. O uniforme dá um ar de reconhecimento ao nosso trabalho, que é de ficar até altas horas da madrugada recolhendo todo o lixo reaproveitável que fica espelhado no local. Sem contar que até ajuda a não nos deixar tão exposto a materiais cortantes. A luva serve muito nesse quesito", esclarece a catadora.

Na opinião do catador Genivaldo de Araújo, os lucros da função de catar latinha podem melhorar bastante esse ano, ainda mais que o Projeto Verão concentra um grande número de espectadores nessa edição. "O evento está grande e tem muita gente aqui. Por noite, acredito que consigo recolher cerca de 20 a 30 kg, e por cada quilo é possível ganhar uma média de R$2,50. Dá para aliviar as despesas as e ganhar uma graninha, no final de tudo", esclarece.

A catadora Maria Lúcia Teles, de 53 anos, avalia que os lucros desse ano já têm destino certo na sua residência. "Vai servir para alimentar os filhos e deixar as coisas em ordem, por enquanto", diz a desempregada, que aproveita as edições do Projeto Verão para faturar um dinheiro extra.