Mercados centrais de Aracaju abrigam diversidade de cores e sabores

Serviços Urbanos
10/02/2024 06h11

Os mercados centrais Antônio Franco, Thales Ferraz e Maria Virgínia Franco representam uma das referências culturais que integram a identidade do sergipano. Nos espaços administrados pela Prefeitura de Aracaju, através da Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), turistas e aracajuanos encontram um verdadeiro polo de artesanato, além da culinária e demais produtos regionais.

Para manter todo esse conjunto arquitetônico devidamente organizado, higienizado e pronto para receber os frequentadores e permissionários, a empresa municipal conta com o suporte de 112 profissionais, entre agentes de limpeza, fiscais e técnicos para serviços de manutenção. Esse trabalho é reconhecido por aqueles que comercializam no local, a exemplo de Gilton dos Santos.

“A administração dos mercados é excelente. Sempre atenta às demandas necessárias para a conservação dos prédios, o que contribui para potencializar as nossas vendas. Além disso, há também uma atenção ao atendimento das nossas solicitações. Então, para mim, trabalhar aqui nos mercados é algo gratificante”, comentou o comerciante de artesanato há mais de 40 anos.

Os serviços de limpeza foram destacados por dona Alira de Oliveira, proprietária de um dos restaurantes de comidas regionais mais visitados do Antônio Franco. “É todo um conjunto, desde a varrição do mercado à organização dos corredores, tudo isso contribui para o incremento das nossas vendas. A gestão municipal está de parabéns”, complementou a permissionária, enquanto se dedicava ao preparo de uma típica feijoada.

Mais adiante no mercado Thales Ferraz é possível adquirir itens em palha, cerâmica, queijos e outros tipos de aperitivos. Por lá, a vendedora Silvaneide Soares, conhecida popularmente como Galega das ervas, pontuou o empenho das equipes para manter o ordenamento do centro de compras. Entre o comércio de produtos que prometem a solução para muitos problemas como perdas amorosas, financeiras e até mesmo de saúde, ela contabiliza mais de 30 anos neste espaço. 

“Os agentes deixam tudo sempre bem organizado durante e depois do nosso expediente. Na minha loja, costumo manter as coisas em ordem, pois temos que fazer a nossa parte também para que os turistas continuem elogiando o mercado. Eles sempre saem com boa impressão daqui”, disse ela.

Alexandro Amaro, sua esposa, Liria Fetzner, e a pequena Hyvi são de Novo Hamburgo, no Rio Grande do Sul. Em passagem pelo complexo dos mercados centrais, eles se mostraram encantados com o colorido dos itens dispostos nas lojas e principalmente com a diversidade de sabores. “Já conhecíamos Aracaju. Viemos aqui há uns 15 anos e está sendo muito bom perceber o quanto essa cidade mudou para melhor. Fomos na Orla e agora nos mercados e tivemos uma grata surpresa com toda essa explosão de produtos regionais e organização. Fiquei surpresa com a variedade de castanhas doces e salgadas. Comprei uma boa quantidade para presentear e também porque minha filha ama esse petisco”, comentou Alexandro.
 
Visitando pela primeira vez a capital do menor estado brasileiro, a catarinense Margarida Sbghen contou que encheu não só os olhos como também as sacolas com vários produtos da terra, que encontrou enquanto caminhava entre os corredores do mercado Antônio Franco. “Os mercados são lindos e com uma variedade enorme de artesanatos. A mala vai ficar pequena, pois estou levando várias coisas. Adorei também a Passarela das Flores. Achei um ambiente muito agradável e deu até pra comprar belas flores”, afirmou a turista.

De acordo com o presidente da Emsurb, Bruno Moraes, esse reconhecimento é fruto do planejamento colocado em prática pela Prefeitura de Aracaju, agregado ao trabalho de conscientização da própria coordenação dos mercados junto aos permissionários, no tocante à manutenção da ordem e da higiene. 

“A regularidade nas ações de limpeza e manutenção nos principais mercados da nossa cidade, que são parada obrigatória para os que visitam Aracaju, estão sendo mantidas desde o início da gestão. São procedimentos que vão desde a dedetização, lavagem de todos os equipamentos, a serviços mais minuciosos que exigem um maquinário especializado, como a pintura da torre do relógio do Antônio Franco. Tudo isso reforça o compromisso da gestão com o patrimônio cultural da nossa gente”, ressaltou o presidente. 

Funcionamento no período de Carnaval

Os três mercados municipais estão aberto ao público de segunda-feira a sábado, das 6h às 16h45, e aos domingos, das 6h às 12h. Entretanto, em virtude do período de Carnaval, haverá alteração no horário de funcionamento dos mesmos. 

“O Maria Virgínia Leite Franco funcionará normalmente, até as 15h de domingo, 11, sendo fechado na segunda-feira, 12, e terça-feira, 13, para um mutirão de limpeza e serviços de manutenção. O local reabre na Quarta-feira de Cinzas, a partir das 6h. Já os Mercados Antônio Franco e Thales Ferraz, estarão abertos no domingo e na segunda-feira, até às 15h. Na terça de Carnaval, ambos ficam fechados para manutenção, reabrindo na quarta, às 6h”, informou o diretor de Espaços Públicos e Abastecimento da Emsurb, Bira Rabelo.