Semasc inicia formação continuada para equipes dos CRAS

Assistência Social e Cidadania
24/01/2017 16h59

Dando continuidade à série de ações que vêm sendo realizadas com o intuito de alinhar as ações desenvolvidas nos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS) de Aracaju, com as estratégias e o novo modelo da atual gestão, teve início nesta terça-feira, 24, o Curso de Formação Continuada para os técnicos da área. A ação, que prossegue até o dia 8 de fevereiro, se destina aos coordenadores das 16 unidades dos CRAS, além de gestores da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semasc).

A diretora de gestão do Sistema Único de Assistência Social (SUAS), Rosária Rabelo, explica que a roda de conversas envolve todo um exercício de preparação junto aos coordenadores, educadores e psicólogos para a construção coletiva de um diagnóstico socioterritorial no município de Aracaju. Além da qualificação dos trabalhadores e do alinhamento estratégico, os encontros terão como resultado a elaboração do Plano de Educação Permanente para os trabalhadores do SUAS e a construção do Plano Plurianual 2018/2022. "Esses diagnósticos darão o norte para nossa atuação. Irá nos apontar onde precisamos alterar nossa atuação nos territórios e indicar mecanismos para que possamos qualificar os serviços que prestamos à sociedade", enfatizou.

A coordenadora da Gestão de Trabalho do SUAS, Maria Socorro Lobato, ressalta que a formação também beneficia a população.  "Quando o trabalhador é qualificado, quem ganha é a coletividade, pois as pessoas passam a receber uma melhor prestação de serviços".

Reconstrução

"Até 2012 a gente tinha muita capacitação. Depois isso cessou completamente até o ano passado e o SUAS virou puro assistencialismo. Então, estar retomando isso literalmente renova minhas esperanças, pois estamos juntos aqui erguendo algo", afirmou a coordenadora do CRAS do Conjunto Jardim Esperança, Luana de Jesus Dias. Confiante em dias melhores, ela também ressaltou a abertura de diálogo da atual gestão como algo positivo. "Trabalho desde 2010 na área e posso dizer que houve muitos retrocessos nas conversações durante o comando passado", avaliou.

O mesmo sentimento foi compartilhado pela educadora social do CRAS Coroa do Meio, Jaqueline Carlos da Silva: "Eu sinto que estamos continuando de onde fomos barrados. Houve uma parada em relação à política da assistência e ao diálogo, que foi bem reduzidos. Não somente nós, mas a população também ficou abandonada durante o mandato anterior. Agora é continuar os esforços para dar o nosso melhor."

CRAS

O Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) é o lugar que possibilita, em geral, o primeiro acesso das famílias aos direitos socioassistenciais e, portanto, à proteção social. É considerado a porta de entrada dos usuários atendidos pela política da assistência social para a rede de Proteção Básica e referência para encaminhamentos à Proteção Especial.