Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Educação

Alunos da rede municipal comemoram premiação no Concurso de Poesia Marcelo Déda

08/11/18 09h49

“O amor não é dado, é conquistado. O amor não é qualquer coisa, o amor é a coisa”. Caneta e papel na mão e, no coração, um grande sentimento: o amor. Enquanto os versos e as rimas surgiam entre os dedos de Camylle Vitória Santos Campos, o amor era quem comandava a escrita, ditando sua mais profunda essência. E foi assim que aquele papel se transbordou de amor e a poesia, escrita pela aluna da rede municipal de ensino, de 12 anos, que foi a grande vencedora do Concurso de Poesia Governador Marcelo Déda, promovido pela Câmara Municipal de Aracaju.

Entre as 124 poesias inscritas no concurso, a obra da estudante do 6° ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) José Conrado de Araújo, no bairro São Conrado, foi a escolhida pela comissão julgadora. “A poesia fala que as pessoas com mais idade, quando vão escolher com quem namorar, querem saber quantos anos têm. Mas, para mim, isso não importa. O que é importante é se gosta de verdade, porque o amor não tem idade”, contou a estudante.

A notícia da conquista foi recebida com bastante alegria e surpresa, tanto por ela, quanto pelos pais. O prêmio, um notebook, será o primeiro computador de Camylle, que mora com os pais em uma casa próxima à escola. “Eu adoro escrever, isso é uma coisa que as pessoas deveriam valorizar e praticar mais. Tenho uma priminha de quatro anos que mora comigo e já estou ensinando ela a escrever”, afirmou. 

A coordenadora pedagógica da Emef, Andrezza Lobão, foi a orientadora de Camylle. Ela conta que sempre acreditou no potencial dos seus alunos e está orgulhosa do resultado. “Eles trouxeram as redações pra mim, eu corrigi e disse o que precisava ser melhorado ou refeito. O resultado de todos ficou lindo. Expliquei para eles que tinha que ser uma coisa que saísse do coração. Acredito que poesia é aquele sentimento que você expressa através da escrita, que é algo que você está sentindo e quer muito falar e termina botando pra fora em forma de palavras”, disse. 

Segundo lugar

A Emef José Conrado de Araújo revelou mais um poeta entre os seus alunos, ficando também com o segundo lugar do concurso. O estudante do 7° ano Rafael Soares Santos, 13, em sua obra, declarou todo o seu amor às palavras. “Amo tanto as palavras, sem elas não posso viver. A cada história lida, a cada história compartilhada, seguirei firme nessa estrada que de letras é formada”, inicia a poesia medalha de prata.

O amor pelas palavras veio aos 10 anos, quando ele deixou de lado as historinhas infantis e passou a ler obras maiores. “Eu escrevi uma carta para o Papai Noel pedindo uma bola, mas me estressei com a minha letra que estava muito feia e apaguei tudo. Escrevi a carta de novo pedindo um livro e ganhei a obra 'A Menina que Roubava Livros'. Depois disso, escrevi um poema na escola e o professor disse que eu poderia ser um poeta, pois gostou muito do que eu escrevi. Ele comprou um livro e me deu de presente, que foi 'A Incrível História do Homem Mais Velho do Mundo'. A partir daí, comecei a me interessar mais pela leitura e foi isso que me motivou a escrever a poesia sobre o amor às palavras”, relata Rafael. 

O personagem principal do livro, Muzinga, o homem mais velho do mundo, hoje, é uma inspiração para Rafael. “Ele é um velho centenário que gosta muito de aventura e, apesar de levar a vida loucamente, ele sempre sabe a hora de agir com seriedade e eu me inspiro muito nele”, conta o estudante que passou a ter mais interesse pelos livros didáticos depois que passou a ler obras de ficção.

Sua orientadora, a professora de português Sílvia Souza Santos, foi a maior incentivadora de Rafael. “Ele é um aluno que gosta bastante de ler, tanto gosta, como instiga os colegas a lerem também. Ele tem uma necessidade pela leitura. A poesia dele foi muito rica, ele abordou a possibilidade de viajar através das palavras e é isso que eu tento passar para eles. Essa viagem amplia o repertório vocabular, as possibilidades e as perspectivas desses alunos”, afirma a professora que realizou uma oficina de palavras para preparar os estudantes para o concurso.

“O maior desafio é fazer com que eles acreditem que são capazes, de motivá-los, de melhorar a autoestima deles. Estou muito feliz pelo resultado e todos eles receberão certificado de participação. É importante mostrar para eles que não importa somente o primeiro, segundo ou terceiro lugar, e sim poder participar destes momentos de crescimento intelectual”, finaliza a professora Sílvia.  

O prêmio de Rafael pelo segundo lugar no concurso será um tablet. Ele conta que usará o aparelho para estudar e ler mais. Para o futuro, ele deseja continuar no mundo das palavras. “Penso em ser escritor, mas também quero ser médico. Então, posso ser escritor e médico ao mesmo tempo”, almeja o estudante que, este ano, representou a rede municipal na V Conferência Nacional Infantojuvenil pelo Meio Ambiente’ (CNIJMA), que aconteceu em Sumaré, interior de São Paulo, em junho.

Terceiro lugar 

“Temos que cuidar da natureza com carinho e delicadeza, porque assim ela fica uma beleza, para o nosso dia não ter nenhuma tristeza”. Foi de uma aula de ciências que Gabriele de Jesus Maciel tirou o tema para escrever a poesia 'A Natureza', que lhe rendeu o terceiro lugar no concurso. Aluna do 5° ano da Emef Professora Núbia Marques, na Coroa do Meio, a estudante de 11 anos, a princípio, não queria concorrer ao prêmio. “Eu não queria porque eu tinha certeza que não ia ganhar, mas a minha professora pediu pra eu tentar porque a vida tem vários desafios que a gente precisa cumprir. Aí ela estava falando sobre poluição, sobre o lixo na natureza, e eu tive a ideia de fazer sobre esse tema”, explica.

O resultado, passado pela professora através do WhatsApp, foi recebido com felicidade por toda a família. “Na hora, não acreditei e fui correndo para o site conferir. Eu e minha família comemoramos bastante”, relembra. O prêmio para Gabriele também será um tablet, que ela pretende usar para jogos e estudos. “Eu já tive um tablet antes, mas dei para o meu primo que mora no interior e meus pais já queriam comprar outro para mim, para me ajudar a estudar. Eu gosto muito de ler e escrever e faço isso desde os 4 anos. Gosto de ler sobre coisas antigas e o meu livro preferido é o do Pinocchio”, revela. 

A orientadora foi a professora Lídia Maria de Oliveira, que preparou uma aula motivadora para seus alunos. “Às vezes, eles ficam com receio de participar por serem alunos de escola pública, por não acreditarem neles mesmos. Mas, eu digo que quem estuda, quem tem compromisso, consegue o que quiser. Eles têm um grande potencial e eu acredito neles”, conta. A Emef Núbia Marques desenvolve um projeto de incentivo à leitura e a professora acredita que isso ajudou no resultado. “Aqui, no 5º ano, trabalhamos muito com gibis, depois discutimos e associamos as histórias com outros temas atuais. Eu percebo que agora eles têm mais argumentos para falar, para debater e expor suas ideias. Estou vendo um grande crescimento”, finaliza.

O concurso

O Concurso de Poesia Governador Marcelo Déda foi instituído pelo Decreto Legislativo 48/2013, promulgado pela Mesa Diretora da Câmara Municipal de Aracaju (CMA), por intermédio da aprovação dos vereadores. O prêmio é destinado para alunos da rede municipal de educação que estejam matriculados no Ensino Fundamental. O objetivo, além de homenagear o ex-governador, é incentivar o desenvolvimento cultural e intelectual dos alunos, promovendo a criatividade literária, o hábito de leitura e escrita, revelando novos talentos literários.