Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Guarda Municipal

Defesa Social participa de roda de conversa sobre a Lei Maria da Penha e a violência contra a mulher

04/12/18 16h49

A campanha mundial "16 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres" conta com atividades desenvolvidas pela Prefeitura de Aracaju. No Brasil, esse movimento é iniciado em 20 de novembro, dia da Consciência Negra, e prossegue até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. A Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec) participa ativamente dessa programação, por meio da Guarda Municipal de Aracaju (GMA), que dialoga com comunidades de diversas regiões sobre a temática.

A interação ocorre com rodas de conversa com a população aracajuana e de outras cidades do interior do estado. A última delas ocorrida, nesta terça-feira, 4, no Centro de Referência da Assistência Social (Cras) Carlos Fernandes, no Lamarão, possibilitou que cerca de 50 pessoas da comunidade pudessem ouvir sobre os direitos e ações de enfrentamento à violência contra a mulher, Lei do Feminicídio e Lei Maria da Penha.

"Essa é uma ação preventiva que alcança toda a comunidade, pois reforça as discussões mais elementares sobre viver bem em sociedade. Infelizmente o tema da violência doméstica está presente, por isso, precisamos esclarecer as dúvidas sobre a Lei Maria da Penha, mostrar que ela abrange questões como ameaça, violência patrimonial, moral e psicológica. Precisamos ampliar o entendimento das mulheres  sobre isso, pois o crime de feminicídio começa com práticas como essas. Além disso, é nosso papel indicar que elas podem buscar ajuda junto às Defensorias Públicas, Juizados, nas Delegacias e em situações de urgência e emergência acionar as polícias", destacou a Guarda Municipal Vaneide Dias.

Outro espaço de debate foi aberto na cidade de Lagarto, junto aos integrantes da Guarda Municipal daquele município. O objetivo dessa vez foi a troca de experiências, tendo em vista que as Guardas Municipais acabam atendendo ocorrências dessa natureza no dia a dia.

"Nós pensamos nessa roda de conversa, justamente para alinhar o trabalho da Guarda Municipal de Lagarto com o que é desenvolvido pela GMA, uma Guarda que já tem uma história maior de combate e enfrentamento à violência contra a mulher. Por conta de todo o contexto histórico, dos costumes, da naturalização desse tipo de violência nas cidades do interior, esse é um trabalho que precisa ser feito constantemente por meio da educação e do atendimento em rede", destaca Cristiane Soares de Oliveira, Coordenadora de Políticas Públicas para Mulheres do município de Lagarto.