Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Saúde

Prefeitura de Aracaju promove palestra sobre violência contra o idoso no Santa Tereza

21/05/19 17h29

A Prefeitura de Aracaju, através da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), fez um alerta sobre as múltiplas formas de violência contra a pessoa idosa com o Grupo de Convivência ‘Direito à Vida", da Unidade Básica de Saúde (UBS) Augusto César Leite, localizada no bairro Santa Tereza.

A ação aconteceu nesta terça-feira, 21, com a realização de uma palestra com os idosos, na Associação de Moradores do bairro Santa Tereza. Segundo os dados do Núcleo de Prevenção de Violência da SMS, registrados no Sistema de Informação de Agravos e Notificação (Sinan), foram notificados, em 2018, 73 casos de violência contra idosos, que foram encaminhados ao Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) e Ministério Público para acompanhamento e providências.

De acordo com a técnica do Núcleo de Prevenção da Violência e Acidentes (Nupeva) da SMS, Lidiane Gonçalves, o profissional de saúde exerce um papel fundamental na identificação e encaminhamento dos casos de violência, além de atuar de forma preventiva, preservando a autonomia e independência da pessoa idosa, intervindo no ambiente familiar e promovendo saúde.

"A finalidade desta palestra é levar informação para a população, inclusive para as pessoas idosas, sobre as diversas formas de violência contra esse grupo e as formas de prevenção, que só é possível envolvendo toda a sociedade para uma cultura de paz entre as gerações, através do respeito, cuidado, promovendo, assim, uma melhor qualidade de vida para os idosos. É importante também educar a sociedade sobre o processo de envelhecimento", esclareceu.

Dados

Ainda segundo Lidiane, de acordo com os dados da SMS, os bairros com maiores registros de violência contra idosos foram São Conrado, Santa Maria, Cidade Nova, Ponto Novo e Mosqueiro. "Esta violência pode se manifestar através da omissão de cuidados e atenção, privação de liberdade, do convívio social, abuso psicológico, físico, sexual, violência financeira e econômica, utilizando de forma inadequada a renda da pessoa idosa. Sendo a maior parte dos agressores filhos. Ainda assim, existem muitos casos subnotificados", explicou.

Para a assistente social da UBS, Larissa Leite, a maior parte das agressões contra idosos são cometidas por familiares. "Na maioria das vezes, as agressões vêm do próprio familiar. Um filho, uma nora, ou um parente próximo, e o objetivo desse debate é fortalecer a ideia de que o idoso precisa ser cuidado, prevenindo a violência", relatou.

A aposentada Aparecida do Rio, de 71 anos, participou da atividade e avaliou de forma positiva a ação promovida pela Prefeitura. "Eu adorei a palestra, foi muito esclarecedora. As pessoas precisam ter mais paciência com os idosos, não somos tão rápidos e nem entendemos de tanta tecnologia. Assim, palestras como as de hoje vêm alertar sobre todos os cuidados e explicar como podemos proceder com relação à violência contra os idosos", relatou.