Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Planejamento e Orçamento

Esgap: Profissionais dos Cras e Creas participam de palestra sobre como atuar em famílias

28/05/19 18h34

Desenvolver uma temática relacionada a família, dentro de uma perspectiva interdisciplinar, abordando contextos como crises e reconstrução familiares, conflitos, separação e potencialidades pessoais. Este foi o foco da palestra "Atuando em Famílias: novos caminhos para as demandas familiares", que tem como objetivo despertar nos profissionais que atuam nos equipamentos da proteção básica e especial vinculados à Secretaria Municipal da Assistência Social (Assistência), um auto aperfeiçoamento nas áreas jurídica, psicológica e de desenvolvimento pessoal. O encontro, promovido pela Escola de Governo e Administração Pública (Esgap), através da Coordenação Psicossocial, aconteceu nesta terça-feira, 28, no auditório do Centro Administrativo Prefeito Aloísio Campos, sede da Prefeitura Municipal de Aracaju.

"A nossa intenção foi trabalhar em cada um deles, de forma dinâmica, e através da troca de informações e experiências, a importância de estar preparado enquanto pessoa ante às  atividades desenvolve. Desta forma, a gente demonstrou vários pontos, mesclando a parte técnica com a questão da Psicologia Jurídica e do Direito Sistêmico", disse a palestrante e professora universitária, Sylvia Soares, enfatizando que, juntamente com as demais palestrantes componentes do 'Projeto Atuando em Famílias', lutam, trabalham, estudam, e se unem à esses profissionais numa jornada baseada no respeito e na integridade do cidadão aracajuano. "A gente precisa estar bem preparado poder dar o nosso cem por cento enquanto cidadão e profissional especializado".

A segunda palestrante do encontro foi ministrada pela psicóloga Dra. Fernanda Hermínia Souza, que abordou assuntos como drogas, separação, divórcio, e parentalidade nas famílias em situação de vulnerabilidade social. Ela também falou sobre como a psicologia jurídica pode ajudar na resolução de conflitos e nas famílias em condição de vulnerabilidade social. "As vezes a gente quer colocar essas famílias num modelo ou padrão de família nuclear burguesa que elas não se encaixam. Então eu destaquei, durante a palestra, algumas problemáticas e soluções relativas à famílias inseridas nesse perfil", pontuou doutora em Psicologia Social.

O público-alvo do encontro foi composto por coordenadores, psicólogo, assistentes sociais, educadores sociais e cuidadores que atuam em equipamentos da proteção básica e especial como o Centro de Referência de Assistência Social (Creas) e o Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Cras). Entre os profissionais participantes estava a gerente do Serviço de Proteção e Atenção Integral à Família (Paif) da Assistência, Vanessa Côrtes, que definiu o momento como enriquecedor, por focar no principal elemento de trabalho da Assistência: as famílias. "Este é um espaço no qual nos tornamos mais esclarecidos no tocante trabalho que desenvolvemos com famílias em situação de vulnerabilidade", disse.

Da mesma forma, o psicólogo Reginaldo Vieira, que coordena o Cras Doutor Carlos Fernandes de Melo, no bairro Lamarão, enfatizou que o papel dos profissionais dos Centros de Referência é trabalhar com essas famílias na prevenção, e o aprendizado constante é necessário para o desenvolvimento profissional. "O tempo todo, a gente precisa rever nosso trabalho, a metodologia que utilizamos no trato com as famílias. A proposta do Cras é fazer com que as situações de vulnerabilidade nas quais as famílias se encontram sejam superadas. Existem alguns documentos que norteiam os nossos trabalhos, mas é preciso que a gente repense sempre as metodologias, os modos de fazer, se está funcionando, como a gente pode pensar, de forma criativa, a partir do que já existe de legislação. Então, hoje, foi um dia muito importante para a gente parar e repensar a nossa prática, de fazer uma revisão dos nossos ato. Foi uma injeção de ânimo, uma ação motivadora".

Assistência

Quem fez o encerramento da vivência foi a secretária adjunta da Assistência, Simone Maia. Ela destacou a parceria da Secretaria com cada um dos seus setores de atuação. "Trabalhar e cuidar de cada um desses profissionais é muito importante para nós gestores, que temos feito levantamentos de capacitações e diversas outras atividades, justamente visando o bem estar do trabalhador. Sobre essa palestra, não tenho dúvida de que cada um que aqui compareceu está levando para si, e para dentro das suas casas, palavras de apoio e orientações de como agir".

O projeto

O Projeto Atuando em Famílias foi criado a partir da necessidade de realizar pesquisas, palestras e cursos, além de um trabalho de resolução extrajudicial de conflitos, no sentido de que famílias em situação de vulnerabilidade social pudessem ter soluções efetivas no tocante a prestação de assistência jurisdicional. "O nosso projeto não traz, na verdade, só essas questões vinculadas ao judiciário, mas um trabalho nas famílias como um todo, porque quando a gente trabalha a família do outro, a gente também temos que trabalhar a nós mesmos, as nossas próprias famílias", explicou a advogada Letícia Carvalho Fernandes, uma das criadoras do Projeto.

Por fim, Letícia disse que é nessa perspectiva, que o grupo tem realizado eventos temáticos com profissionais que atuam com famílias. "A ideia é que sejam difundidos e desenvolvidos temas e projetos que, as vezes, não são praticados por falta de conhecimento ou de acesso à temáticas como, por exemplo, o que é a psicologia jurídica, quais são os temas vinculados ao Direito da Família, como esses dois temas podem trabalhar juntos, e como a gente pode ter acesso a outros métodos de resolução de conflitos como a mediação, dentre outras temáticas que estão vinculadas às famílias".