Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Agência Aracaju de Notícias

Em coletiva, secretários municipais detalham complexidade da obra do corredor Hermes Fontes

06/12/2019 11h18

Para detalhar a obra de recuperação do corredor Hermes Fontes, cuja ordem de serviço foi assinada na quarta-feira, 4, pelo prefeito Edvaldo Nogueira, a Prefeitura de Aracaju reuniu os secretários municipais Sérgio Ferrari, da Infraestrutura, e Alan Lemos, do Meio Ambiente, e do superintendente municipal de Transportes e Trânsito, Renato Telles, uma entrevista coletiva na manhã desta sexta-feira, 6.

Cada um dos gestores explicou as intervenções da obra nas respectivas áreas, mostrando em que consiste o projeto, etapas de execução, alternativas de tráfego necessárias e também as ações de compensação ambiental.

Segundo Sérgio Ferrari, que também preside a Empresa Municipal de Obras e Urbanização (Emurb), a obra conclui o Projeto de Mobilidade Urbana de Aracaju, que planejou alterações nos principais eixos viários da cidade para criar os corredores Beira Mar, Centro/Jardins, Augusto Franco e Hermes Fontes.

“Dos quatro, esse corredor é o mais complicado, porque não é apenas recapear, tirar asfalto velho e colocar asfalto novo. Ele apresenta características diferentes, a começar pelas vias estreitas, sem possibilidade de ampliação; além das tubulações de mais de 80 anos que passam por ali, de várias concessionárias, como de água, energia e telefonia”, explica Sérgio Ferrari.

Por causa dessa complexidade, a obra demandou bastante planejamento e soluções específicas. “Trouxemos inovações, como o corredor de transporte público no meio da avenida, invertendo a circulação; além de lombofaixas, com elevação da pista, que permitirão a travessia em segurança e a garantia de acessibilidade aos cadeirantes”, revela Ferrari.

“É uma obra grandiosa, que vai da avenida Barão de Maruim até a praça do conjunto Orlando Dantas, trecho com bastante dificuldade de circulação”, completa o secretário. Outro aspecto abordado foi o paisagismo a ser adotado na obra, que demandará supressão de árvores ao longo do corredor, tema detalhado pelo secretário Alan Lemos.

“O projeto já especifica a necessidade de compensação ambiental, que será feita num volume superior, pois serão plantadas mais de duas árvores para cada uma que será suprimida”, assegura o secretário. De acordo com ele, o corredor contém cerca de 600 árvores, que, além de já estarem em idade avançada, não são de espécies adequadas para a finalidade.

“A maioria dessas árvores pertence às espécies Mata fome, Coqueiro e Ficus, que, como todos podem ver na avenida, causam problemas estruturais significativos”, esclarece. Por isso, a compensação será feita com novas espécies, a exemplo de ipês amarelo e roxo, pitangueiras, sibipirunas e jacarandás. “São espécies nativas, que têm um crescimento melhor, com copa alta e que vão promover uma requalificação da arborização na capital”, ressalta Alan.

O secretário também destacou que o plantio de árvores no entorno da avenida será imediato. “Na próxima semana, já faremos o plantio de 40 mudas na avenida Edelzio Vieira de Melo, por exemplo. As demais árvores serão colocadas a depender do andamento da obra, pois pretendemos reaproveitar algumas delas e replantá-las”, acrescenta.

Trânsito

Toda a obra começará com a substituição da tubulação de água. Para isso, os bloqueios e desvios no trânsito se farão necessários, medida explicada com propriedade pelo superintendente Renato Telles. “O trecho ficará em mão e contra mão pela mesma via, mas haverá sinalização e agentes orientando para as rotas alternativas a fim de minimizar os impactos, que são inevitáveis”, afirma.

De acordo com o superintende da SMTT, o trabalho de divulgação de informações já está sendo feito desde o meio desta semana, junto a moradores e comerciantes, que estão sendo alertados das alterações no tráfego a partir da próxima segunda-feira, 9.

Para Renato, o diferencial desse corredor será a prioridade para o transporte público, que possibilitará uma fluidez maior do trânsito. “Os usuários de ônibus terão percursos cerca de 20% menores”, estima. Além disso, segundo Renato, serão 16 paradas de ônibus ao longo da extensão do corredor, com as lombofaixas instaladas nos principais cruzamentos, o que dará segurança também para os pedestres.

A obra tem previsão de duração de 180 dias úteis e, nesse período, os serviços serão realizados das 5h às 17h, com bloqueios temporários ao longo dos trechos a depender do andamento da execução.