Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Agência Aracaju de Notícias

Após confirmação de transmissão comunitária, Prefeitura intensifica Plano de Contingência

26/03/2020 14h00

A Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, confirmou o primeiro caso de transmissão comunitária do novo coronavírus (covid-19) nessa quarta-feira (25), elevando para 13 o número de pessoas infectadas somente na capital. Diante desse cenário, foram intensificadas as ações do Plano de Contingência, lançado pela administração municipal no início deste mês, após o Ministério da Saúde declarar Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional.

O Plano é composto por três níveis de resposta, baseados na avaliação do risco do novo coronavírus afetar o Município e seu impacto para a saúde pública. O primeiro é o nível de "Alerta", que consiste no monitoramento de pessoas com histórico de viagem para área de transmissão local; o segundo é o "Perigo Iminente", que se inicia a partir do primeiro caso suspeito; o terceiro é o "Emergência em Saúde Pública".

A fase Emergência em Saúde Pública é subdividida em nível 1, quando há surgimento de até 20 casos confirmados da covid-19, de baixo a moderado risco; nível 2, com surgimento de caso grave ou acima de 20 casos confirmados, de baixo a moderado risco; e nível 3, quando há casos de óbitos.

Com a confirmação da transmissão comunitária, Aracaju passa de situação de Perigo Iminente para fase de Emergência em Saúde nível 1, como explica a secretária municipal de Saúde, Waneska Barboza.

"A partir de agora, a gente entra na fase de abertura de leitos. Então, o Município já vem preparando os leitos de retaguarda para deixar disponíveis, caso comece a ter internação de pessoas. Também planejamos a abertura de um hospital de campanha em parceria com o governo estadual", garante Waneska.
Os leitos citados pela secretária correspondentes aos hospitais de Urgência e Emergência Fernando Franco e Nestor Piva, além dos Centros de Atenção Psicossocial e no Cemar Siqueira Campos.

Já nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) haverá leitos de observação. Além disso, em oito UBS haverá horário de atendimento estendido das 7h às 20h, incluise nos finais de semana e feriados, com atendimento exclusivo para síndromes gripais. São elas: Geraldo Magela, Augusto Franco, Ministro Costa Cavalcante, Fernando Sampaio, Cândida Alves, Eunice Barbosa, José Machado e Onésimo Pinto.

Os usuários dessas unidades serão transferidos para o atendimento em UBS mais próximas.

Ficar em casa
De acordo com a médica infectologista e referência técnica da SMS, Fabrízia Tavares, a população precisa ficar em casa e tomar todos os cuidados. "É importante o isolamento social. Não há muito o que fazer. Nós orientamos as pessoas que só procurem uma unidade de urgência e emergência se apresentar sintomas, como desconforto respiratório, sintomas de significância que precisem de avaliação clínica. O perfil desse vírus é a rápida transmissibilidade, por isso orientamos o isolamento social, principalmente quando há transmissão comunitária", orienta.

Transmissão comunitária
A transmissão comunitária é uma modalidade de circulação na qual as autoridades de saúde não conseguem mais rastrear o primeiro paciente que originou as cadeias de infecção, ou quando esta já envolve mais de cinco gerações de pessoas.

Esse tipo de transmissão difere dos casos importados (quando uma pessoa adquire o vírus em viagens ao exterior) e da transmissão local (quando alguém é contaminado por contato com alguém infectado em outro país). As situações de transmissão comunitária significam que o vírus está mais disseminado, demandando cuidados mais efetivos.

De acordo com o Ministério da Saúde, quando há transmissão comunitária, a orientação é de isolamento por duas semanas de pessoas com sintomas e das que moram no mesmo espaço de quem apresentou sinais da infecção. Isso implica ficar definitivamente em casa e evitar a todo custo não apenas aglomerações, como a circulação fora de casa.

Sintomas
Conforme o Ministério da Saúde, são considerados sintomas do novo coronavírus: tosse seca, dor de garanta ou dificuldade respiratória, acompanhada ou não de febre. Podem, também, causar infecção do trato respiratório inferior, como as pneumonias. No entanto, o coronavírus ainda precisa de mais estudos e investigações para caracterizar melhor os sinais e sintomas da doença.