Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Saúde

Prefeitura assegura assistência contra as hepatites virais no Julho Amarelo

30/06/2020 15h00

Mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), garantiu a continuidade dos testes rápidos para detecção das hepatites virais e reforça a conscientização na prevenção à população. Em 2019, foram notificados e confirmados 92 casos na capital.
 
Entre esses casos, 49 foram do sexo masculino e 43 do sexo feminino. Os bairros com maiores notificações no ano passado foram Farolândia, Atalaia e Santo Dumont. Segundo a coordenadora da Rede de Programas de Vigilância e Atenção à Saúde, e do Programa de Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST/Aids) e Hepatites Virais da SMS, Débora Oliveira, a orientação é fundamental no processo de prevenção da doença.

“A principal arma na batalha contra as hepatites virais é a detecção por meio dos testes rápidos para hepatites B e C, que são gratuitos e estão disponíveis em toda Rede da Atenção Primária do município de Aracaju. Os testes rápidos para hepatite B e C também são realizados no Centro de Testagem e Aconselhamento de Aracaju (CTA), localizado no Cemar Siqueira Campos, que funciona com portas abertas", enfatiza.

Julho Amarelo
Celebrado internacionalmente em 28 de julho, o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2012 e, desde então, Julho passou a ser o mês de intensificar a prevenção das hepatites virais.

“Hepatite é um termo genérico que significa inflamação do fígado. Ela pode ser causada por medicamentos, doenças autoimunes, metabólicas e genéticas, álcool, substâncias tóxicas e vírus. É importante saber que a hepatite é uma doença assintomática, silenciosa e que mata, mas se for diagnosticada precocemente, tem cura”, afirmou a coordenadora.

Prevenção
De acordo com a referência técnica das hepatites virais, Fabiana Fonseca, o grande embate para a saúde pública é conscientizar a população para o diagnóstico da doença. O desafio é descobrir a presença do vírus e conter a doença antes que ocorram os danos que acarretam ao fígado.

“A hepatite A, por exemplo, é uma infecção aguda, transmitida por meio de água e alimentos contaminados. Já as hepatites B e C são infecciosas e transmitidas por meio do sexo sem proteção e no compartilhamento de seringas e objetos cortantes. Não se devem compartilhar escovas de dente, seringas e agulhas. É aconselhável levar os seus próprios utensílios devidamente higienizados ao ir à manicure ou pedicure e usar camisinha nas relações sexuais”, orienta.