Prefeitura Municipal de Aracaju/SE

Aedes aegypti: Aracaju possui legislação municipal para combate ao mosquito

Em abril de 2008 foram sancionadas as leis municipais de número 1.691 e 3.552 em vigor, que obrigam os proprietários de imóveis a manterem os ambientes limpos, sejam residências, estabelecimentos comerciais e industriais, terrenos e instituições públicas ou privadas, evitando a proliferação do Aedes aegypti. Quando uma residência é pega mais de uma vez com focos ou criadouros do mosquito, os agentes enviam uma notificação à Secretaria Municipal da Saúde (SMS) para que ela possa tomar as medidas cabíveis.

A legislação estabelece, ainda, a obrigatoriedade de permitir o ingresso dos agentes nos espaços particulares e a aplicação de pena de apreensão dos materiais, notificações e multas, que podem variar de R$ 100 a R$ 1.000 reais, caso não seja cumprida.

O supervisor dos agentes de endemias do bairro São Conrado, Jackson Barroso, relatou que já chegou a presenciar casos preocupantes quando, por exemplo, chegou a ir três vezes a uma residência e em todas as vezes encontrou criadouros do mosquito, mesmo tendo orientado incansavelmente. "Nesses casos, por mais que falemos, é difícil conscientizar. Teve gente que achou que a larva do mosquito era de um inseto qualquer e demorei muito a convencer do perigo", relatou.

Apesar das doenças relacionadas ao Aedes aegypti serem motivos constantes de preocupação, os agentes de endemias têm como principal problema a resistência de algumas pessoas de adotarem as medidas de prevenção. "Infelizmente encontramos o comodismo como barreira. As pessoas ainda esperam o agente chegar para poder fazer o serviço. Se eu tenho um recipiente com água, ali é um potencial criadouro. Então, as pessoas esperam os agentes chegarem para poder fazer o trabalho, sendo que o próprio morador pode e deve fazer o trabalho", frisou a coordenadora da equipe de agentes do bairro São Conrado, Dijeane Scarlet.

Morador do Orlando Dantas, Sérgio Graciliano recebeu os agentes e a sua residência foi uma das que apresentou alguns problemas. "Eles acharam alguns recipientes no meu quintal e me disseram o que deveria fazer para não acumular água neles. Como deixei a casa para a minha filha, venho pouco, mas agora vou ficar mais atento. Por sorte, ainda não tinha larva do mosquito. Sei que preciso cuidar mais da casa", admitiu.


Leia também...

Equipes de endemias trabalham a orientação como meio de prevenção