Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Defesa Social e Cidadania

Com atuação ininterrupta nos dias de chuva, Defesa Civil de Aracaju registra 115 chamados emergenciais

12/07/19 17h10

Os últimos cinco dias foram de muita chuva, em Aracaju. O acumulado atingiu 296.4 mm, nas últimas 96h, superando o esperado para todo o mês. A Prefeitura de Aracaju, por meio da Secretaria da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), trabalha integralmente para o enfrentamento aos impactos das chuvas, na capital. Somente nesta semana, entre os dias 5 e 12 de julho, foram registrados 115 chamados, através do número emergencial 199, da Defesa Civil. Os atendimentos às solicitações da população vem sendo realizados ininterruptamente pela equipes.

Assim que houve a confirmação da chegada da frente fria à capital, ainda no domingo (7), foram adotadas as providências necessárias à redução de transtornos e mobilização das equipes, que intensificaram o nível de atenção, especialmente às áreas de risco. Na ocasião, a população logo foi informada através do Serviço de Alerta por SMS 40199, e o Comitê de Gerenciamento de Crise acionado para alinhar estratégias de atuação.

Segundo o secretário da Defesa Social e da Cidadania, as equipes estiveram empenhadas para atender aos chamados, com mobilização integrada às ações dos demais órgãos da Prefeitura. "Atuamos não apenas com o atendimento dos chamados, mas estivemos atentos às demandas da cidade como um todo, de maneira adotar providências de prevenção e monitoramento, em especial às áreas de risco. Estivemos, dia e noite, em atenção, com equipes em pontos estratégico para reduzir o tempo respostas diante dos chamados", declarou o secretário.

Antônio Messias dos Santos, morador do bairro Santo Antônio há cerca de 20 anos, possui um comércio no Jardim Petrópolis. O efeito das chuvas provocou grande preocupação por sua residência está em área de morro. Logo o morador acionou a Defesa Civil, que foi até o local e adotou providências para evitar o encharcamento do solo e um possível deslizamento de terra. " Fiquei com receio do barranco ceder. O atendimento foi rápido e recomendo que se as pessoas tem algum receio liguem para o serviço", declarou o senhor Antônio.

Outra solicitação atendida foi a de Dona Terezinha de Jesus Lima, 84 anos, que abriu as portas da sua casa para as equipes e apresentou sua preocupação com rachaduras, assim como com as infiltrações que apareceram durante as chuvas. "Fico mais tranquila, depois dessa avaliação, por não haver risco de desabamento", afirmou. Ela foi orientada pelo agentes sobre medidas que deve adotar para sanar os problemas na residência e expressou maior tranquilidade com o resultado do diálogo. "Eu tenho o número da Defesa Civil anotado aqui na minha caderneta para ligar, se for preciso", disse Dona Terezinha com o caderno em mãos e o número anotado em destaque.

Jabotiana

De acordo com o levantamento realizado pela Defesa Civil de Aracaju, o bairro Jabotiana apresentou demandas expressivas, durante esses cinco dias de chuvas intensas, em virtude da forte influência que o Rio Poxim exerce na região. Das 115 ocorrências registradas até o momento, 30 são provenientes dessa localidade. Dessas, 26 são referentes a situações de inundação, enchente ou alagamento.

Segundo o coordenador da Defesa Civil de Aracaju, major Sílvio Prado, o órgão contou com o apoio do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe para resgatar pessoas que ficaram ilhadas pelo grande volume de água. "Trabalhamos no resgate dos moradores que se encontram nessa situação, em especial na região do Largo da Aparecida, onde a situação demandou grande atenção", reforçou.

No Largo da Aparecida, a Prefeitura mobilizou diversas secretarias e órgãos municipais para prestar assistência aos moradores. "Continuaremos prestando todo o apoio necessário às famílias, até a que a situação esteja de volta a normalidade", destacou Sílvio Prado.

Dados

Os dados obtidos até a tarde desta sexta-feira, 12, apontam, ao longo da semana, o total de 115 solicitações, através do número emergencial 199. Os chamados partiram de diversas regiões, com destaque para os bairros Jabotina, com 30 chamados; Porto Dantas, com nove (9) solicitações; Japãozinho e Santa Maria, com oito (8) solicitações cada; Lamarão e Cidade Nova com sete (7) chamados cada.

Entre as situações indicadas pelos solicitantes o número mais expressivo foi para inundações ou alagamentos, somando 48 acionamentos. Já o risco de desabamento ou desabamento, geralmente com indicação de rachaduras, movimentação de telhas, afundamento de piso ou inclinação de estruturas, resultou, no total, em 43 chamados. Para deslizamento de terra ou risco de deslizamento foram, ao todo, 9, chamados.

Também foram registradas situações de queda de árvores, desplacamento de reboco e outras não categorizadas.