Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Agência Aracaju de Notícias

Aracaju inicia vacinação de pessoas com comorbidades e retoma reforço vacinal

04/05/2021 18h00

A Prefeitura de Aracaju, por intermédio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), retomou nesta terça-feira, 4, após um hiato de uma semana, a vacinação dos aracajuanos contra a covid-19. Até o momento, já são 111.514 pessoas vacinadas na capital, o que representa 16,77% da população aracajuana.
 
Hoje estão sendo aplicadas três imunizantes contra covid-19: a CoronaVac, referente à segunda dose da vacina para aquelas pessoas que receberam a primeira dose do imunizante nos dias 1º e 2 de abril; a AstraZeneca, para a vacinação em segunda dose; e a Pfizer, cujo lote foi recebido no último fim de semana e será utilizado para a conclusão da imunização dos profissionais de saúde.
 
Esta retomada também marcou o início da vacinação do grupo de pessoas com comorbidades por faixa etária, começando pelas pessoas de 59 anos. Dentro do grupo de pessoas com comorbidades, poderão receber a vacina, nesta etapa, aracajuanos que possuem diabetes Mellitus; pneumopatias crônicas graves; hipertensão arterial resistente, estágio 3 ou estágio 1 e 2 com lesão em órgão-alvo/comorbidade; doenças cardiovasculares; doença cerebrovascular; imunossuprimidos; hemoglobinopatias graves (doença falciforme e talassemia maior); obesidade mórbida e cirrose hepática. A lista dos grupos que têm direito à vacinação está disponível no site da Prefeitura de Aracaju.

Para receber a primeira dose da vacina, o público-alvo poderá se dirigir a dez pontos fixos estabelecidos pela SMS para organizar o fluxo, além do  drive-thru montado no Parque da Sementeira, mediante apresentação do código autorizativo, sempre das 8h às 16h.

Em ambos os casos, se faz necessária a apresentação de relatório médico que comprove a comorbidade. Nestes mesmos locais, também terá início a aplicação da segunda dose da população que se vacinou com a AstraZeneca.
 
As pessoas que vão tomar a segunda dose da CoronaVac poderão se dirigir ao drive-thru ou a cinco pontos fixos para receber o reforço: UBS Francisco Fonseca (bairro 18 do Forte), Estação Cidadania (bairro Bugio), UBS Amélia Leite (bairro Suissa), (UBS Oswaldo de Souza (bairro Getúlio Vargas) e Colégio CCPA (bairro Grageru).

Já a aplicação da vacina Pfizer está acontecendo na Escola Presidente Vargas, no bairro Siqueira Campos.

Ao todo, somando as doses dos três imunizantes dessa nova leva de vacinação que começou nesta terça-feira, a SMS espera aplicar mais de 28 mil vacinas, sendo 4.000 da Pfizer, 2.500 da CoronaVac, referente à segunda dose, 8 mil da AstraZeneca, referente à segunda dose, e mais 14 mil de primeira dose da AstraZeneca.
 
"Hoje nós estamos fazendo uma retomada da vacinação em Aracaju. Tivemos que parar por uma semana para nos reorganizar. A novidade é a aplicação da vacina Pfizer, que somente foi destinada para as capitais e será aplicada exclusivamente para profissionais de saúde. Também estamos avançando na primeira dose com relação a pessoas com comorbidades. Nessa fase, serão vacinadas as pessoas com deficiência permanente de 59 anos, gestantes e puérperas acima de 18 anos que tenham comorbidades, renais crônicos acima dos 18 anos que fazem hemodiálise, pessoas com 59 anos que têm alguma comorbidade e que estão elencadas no Plano Nacional de Vacinação", esclarece a secretária municipal de Saúde, Vaneska Barboza.

Conforme a secretária, para entender quais são essas comorbidades, é importante o cidadão entrar no site da Prefeitura, da SMS, ou acompanhar as redes sociais da administração municipal. "Porque lá está a lista de todas as comorbidades as quais dão direito à vacina. A gente espera avançar cada vez mais à medida que forem chegando mais vacinas, demonstrando sempre o compromisso que temos com a população", sublinha a gestora.

População agradece
A retomada da vacinação no município de Aracaju alegrou o coração do médico cirurgião Luis Alberto, que esteve na escola Presidente Vargas para tomar a primeira dose da vacina Pfizer. Para ele, a vacina é o único trunfo dos governos para controlar a pandemia da covid-19 e manter ativa a esperança de dias melhores.
 
"Estou muito esperançoso. Que essa vacina faça com que tudo venha a se restabelecer novamente e a gente volte a trabalhar, a economia do país volte a melhorar. A única ferramenta que temos hoje é a vacina, aliada a outras prevenções, como usar máscara e isolamento social. Mesmo com a vacina, eu vou continuar adotando todas as medidas de prevenção, como o uso de álcool nas mãos, máscara. Espero que, até o fim do ano, mais de 70% da população seja vacinada para criar uma imunidade de rebanho e, com isso, controlar essa pandemia", diz Luis Alberto.

O médico cardiologista Cléber Bonfim também tomou a primeira dose da Pfizer. "O mundo precisa de vacina. Como ainda não existe tratamento para a doença, a única maneira de tentar eliminar o vírus é através da vacina. Chegou o meu momento hoje. Na verdade, já era para eu ter tomado a vacina, mas eu preferi postergar mais um pouco para dar preferência a médicos que estão na linha de frente. Preferi aguardar o fluxo normal", disse.  

Larissa de Oliveira Carvalho, de 34 anos, trabalha como Guarda Municipal em Aracaju. Logo cedo ela foi até o colégio CCPA, no bairro Grageru, um dos cinco pontos fixos estabelecidos para aplicação da segunda dose da Coronavac.

Ao concluir seu ciclo vacinal, ela disse que o sentimento era de "muita alegria". "Estou muito satisfeita e feliz em estar concluindo o ciclo de vacinação. É um alívio para a gente. Vou trabalhar com mais tranquilidade. Tenho dois filhos pequenos e me preocupo com eles", relatou.
 
No drive-thru montado no Parque da Sementeira, Luiz Carlos Guerreiro Fernandes Fialho, 67, disse que a vacinação é importante para toda a humanidade. "É um alívio muito grande estar tomando a segunda dose, aprovo a vacinação e espero que todos sejam vacinados logo".

Opinião semelhante tem José Aírton Batista, 67, que também foi ao drive tomar a segunda dose. "Só tenho a dizer que o meu sentimento é de felicidade. Que todas as pessoas tenham acesso à vacinação".