Prefeitura Municipal de Aracaju/SE
Saúde

Saúde e Assistência se reúnem com assistentes sociais da Reap

11/10/18 17h48


Fortalecer a intersetorialidade e promover ações que viabilizem políticas de promoção à saúde da pessoa em condições de vulnerabilidade em Aracaju (SE). Esse é o objetivo da parceria firmada entre as secretarias municipais da Saúde (SMS) da Assistência Social, em reunião realizada na manhã da sexta-feira, 11, no Centro de Educação Permanente da Saúde (Ceps).

O encontro reuniu os assistentes sociais da Rede de Atenção Primária (Reap) e tratou, dentre outros temas, dos benefícios recebidos pelas pessoas em situação de vulnerabilidade social. Segundo a coordenadora do Serviço Social e do Programa Bolsa Família da SMS, Sindaya Belfort, para ter acesso e permanecer no programa, por exemplo,  é necessário cumprir exigências nas áreas de saúde, educação e assistência social.

“Hoje estamos dialogando com os assistentes sobre os benefícios eventuais que são concebidos para as pessoas em situações de vulnerabilidade, e que estão no mesmo território. Divulgamos os critérios e fluxos de concessão dos benefícios sociais para que os profissionais tenham clareza das condições que devem ser atendidas”, enfatizou.

A coordenadora de benefício assistencial de transferência de renda da Assistência, Yolanda de Oliveira Santos, também falou sobre o processo percorrido pelas famílias cadastradas no Cadastro Único de Programas Sociais para recebimento de benefícios. “Para recebimento, os critérios do programa são famílias em situação de extrema pobreza, com renda per capita igual ou inferior a três salários mínimos, e que tenham na sua composição familiar crianças, adolescentes, ou gestantes”, explicou.

Importância

A assistente social da UBS Manoel de Souza, Neide Goes, acha super importante estas reuniões. “Tiramos todas as dúvidas e garantimos o comprometimento com os nossos beneficiários”, falou.

Para o assistente social e coordenador da proteção social e especial da Assistência Social, Jonatam Rabelo Maia, é um momento de integração muito importante e de aproximação dos profissionais nestes encontros. “Atualizamos, discutimos e tiramos as dúvidas, esclarecendo e trilhando os caminhos da resolução dos problemas que surgirem. A proteção social especial do município reúne duas complexidades. Na média trabalhamos a situação de direitos dos vínculos dos usuários, que ainda não foram violados, ou seja, os que ainda existem vinculação da família fragilizada. Já a alta complexidade, são todos que estão nos acolhimentos institucionais que temos em Aracaju”, disse.